Carpe Diem Arte e Pesquisa | Lisboa, Portugal | 2012

Os objetos abandonados na paisagem são absorvidos e integrados pelo meio envolvente, estando em constante processo de transformação. São nestes objetos, vistos como esculturas – quer pela forma, quer pela maneira como são integrados na paisagem, que se centra o trabalho de Márcio Vilela. Mono, obra que Vilela apresenta no Carpe Diem Arte e Pesquisa, nasce do encontro e constrói-se através do lugar e da sua apropriação ao longo do tempo. Um processo que revela uma nova percepção da paisagem e envolve-nos numa nova metamorforse do objeto.