Bird Eye View

 

Grandes navios, aqui pequenos, a cruzar o oceano. São um ponto, um fragmento, assim como o próprio enquadramento o é, uma fracção da imensidão atlântica.

Existe aqui uma relação entre a procura e o acaso, a fotografia ocorre no ponto de contacto entre duas trajectórias distintas. Não importa o destino, a espera é por um certo encontro repentino que logo se desfaz.

A imagem final é uma memória deste momento específico, ela só acontece pela existência de uma predisposição, uma empatia para com estes objectos à deriva, com destino incerto. O encontro, no entanto, não se efetiva completamente, é mais um cruzamento. É através do registro que ele se concretiza.